Vacinação, Farmácia Popular, Mais Médicos: os planos da Saúde para os primeiros 100 dias
11/01/2023 13:26 em Novidades

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta terça-feira (10) para discutir as ações prioritárias da pasta nos primeiros 100 dias de governo.

Após o encontro, ela concedeu entrevista coletiva e falou sobre os objetivos definidos na reunião. Entre os pontos destacados estão um plano emergencial para redução de filas para a realização de cirurgias e exames pelo SUS, a retomada do programa Farmácia Popular e a realização de uma ampla campanha de vacinação a partir de fevereiro.

:: Auxílio Brasil, salário mínimo, Farmácia Popular: o que entra na PEC da Transição? ::

Sobre o plano para a diminuição de filas de procedimentos, uma promessa de campanha de Lula, Nísia afirmou que "o Ministério da Saúde trabalha em uma lógica interfederativa, então vamos discutir com o Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde [Conass] e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde [Conasems] agora, no dia 26 de janeiro, para a definição conjunta desse plano".

A ministra também afirmou que a pasta está negociando com os fabricantes de imunizantes para normalizar o fornecimento de vacinas, entre elas as doses pediátricas para vacinação contra a covid-19. Ela afirmou que foi negociado um adiantamento das entregas com o Instituto Butantan com a chegada, nos próximos dias, de 715 mil doses e, mais adiante, outras 2 milhões de doses. 

O Ministério trabalha com o objetivo de iniciar em fevereiro uma ampla campanha de vacinação. O país está em uma crise sem precedentes em relação à imunização de crianças. Um estudo divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em novembro do ano passado mostrou que o Brasil está próximo de completar uma década sem conseguir alcançar a cobertura vacinal recomendada na imunização contra difteria, tétano e coqueluche. "Teremos o abastecimento dessas vacinas e aí nos restará trabalhar para que a sociedade vacine suas crianças", afirmou.

Outro ponto emergencial é a retomada do programa Mais Médicos. A ministra afirmou que o fim do programa deixou um vazio asssistencial em cidades pequenas e nas periferias de grandes cidades. 

O enquadramento legal do programa não deve ser alterado, mas o ministério trabalha para pensar em incentivos para que os médicos brasileiros se candidatem às vagas oferecidas. 

 

Fonte/; Brasil de Fato //Fernando Frazão/Agência Brasil

COMENTÁRIOS